Previsão do tempo
max. 29 | min. 23
Chuvas esparsas
Cotação
Dolar R$ 4,94
Euro R$ 5,36

Previsão do tempo

max. 29 °C

min. 23 °C

Chuvas esparsas

A História da pequena Ferrovia da Cia. City de Santos, no Vale do Rio Pilões

Trilhos são os últimos vestígios dessa linha quase esquecida.


Uma ferrovia em Pilões: The City of Santos Improvements Company Railway ou A História da pequena Ferrovia da Cia. City de Santos, no Vale do Rio Pilões


A região de Santos possuiu, desde o início da era ferroviária no País, uma das mais impressionantes diversidades em termos de sistemas de trilhos e bitolas que se conhece no País e talvez no mundo.

Poucas vezes teremos visto, concentradas em uma região geográfica relativamente pequena, tantos e tão diferentes tipos de sistemas, linhas ferroviárias e bitolas, desde a poderosa bitola de 1,60 metro da São Paulo Railway, até as modestas bitolinhas de 0,60m das ferrovias bananeiras e de serviços das inúmeras indústrias que haviam no local no passado, passando pelas linhas de bonde em Santos em sua bitola exclusiva e as linhas na Cia. Docas de Santos nas bitolas de 0,60m e 0,80m, 1,00m e 1,60m, sistemas esses que são abordados no site Trilhos na Serra (LINK INDISPONÍVEL), trabalho em desenvolvimento patrocinado pela EFBrasil (LINK INDISPONÍVEL) que visa resgatar as modalidades de transportes sobre trilhos na Baixada Santista.

Entre esses sistemas, um revestiu-se de especial importância e interesse, pois – ao contrário da grande maioria dos sistemas de 0,60m existentes na região para o transporte de bananas (as ferrovias bananeiras), que se utilizavam de pequenas locomotivas no sistema “Decauville” – essa ferrovia usou locomotivas de porte relativamente grande, destacando-se as máquinas das empresas Kerr-Stuart (inglesa) e inclusive robustas locomotivas alemãs da fábrica Henschel & Son.

Existem poucos dados a respeito dessa ferrovia, mas – de acordo com informações colhidas junto aos pesquisadores ferroviários Nicholas Burmann, Sérgio Mártire e Moysés Lavander – ela pertencia à City of Santos Improvements Company – Cia. City para os santistas – e iniciava-se na Estação Ferroviária de Cubatão, da São Paulo Railway, estendendo-se a partir daí por mais de 15 km, percorrendo os vales dos rios até a represa da Cia. City. e posteriormente a linha da Estrada de Ferro Sorocabana na altura de Mãe Maria.

Vista do complexo da Usina Henry Borden, antes da construção da Via Anchieta.
No lado direito, aparecem o conjunto da Fábrica de Papel e o bairro Fabril.
Ao fundo, a linha férrea de Pilões acompanha o morro.
No centro da foto, as pontes por onde passava o ramal ligando a Usina à Linha Férrea da SPR
Foto: site Trilhos na Serra

Ao deixar a estação de Cubatão, um pouco adiante a ferrovia lançava um ramal à sua esquerda, em direção ao local conhecido como Sítio dos Queiroz, aparentemente para uma pedreira. Havia também um desvio à direita alguns quilometros à frente, onde um pequeno trecho de linha ligava a ferrovia de Pilões com a linha que, também saindo da estação de Cubatão da SPR, ligava-a à Usina Henry Borden, ramal esse em bitola de 1,60m e que era em bitola mista a partir do encontro com um ramal da linha da Estrada de Ferro de Pilões.

Imagem extraída do Google Earth em 19/11/2023 e inserida para mostrar o provável traçado desta pequena ferrovia. Ao sair da Estação, seu antigo traçado é quase a atual Avenida Martins Fontes, na Vila Nova.
Imagem do Google Earth em 19/11/2023 colocada ao lado da foto original para ajudar na localização da ferrovia, mostrando a região ANTES e DEPOIS da construção a Rodovia Anchieta.

Prosseguindo a linha de Pilões em direção aos reservatórios de mesmo nome, ainda havia um pequeno desvio que ligava essa ferrovia à fábrica de papel no bairro Fabril. Inicialmente a linha era na bitola de 0,60m até os reservatórios existentes a 3 quilômetros de Cubatão, onde existia um segundo sistema de tratamento e bombeamento para as adutoras existentes em direção à cidade de Santos e que era utilizado ao mesmo tempo também para a captação das águas do Rio Cubatão.

Quando da construção da Via Anchieta e da Usina Henry Borden, presume-se que a linha foi então eletrificada na bitola de 0,80m e construídos para a tração um bonde que por sua vez rebocava um dos antigos bondes a burro da cidade de Santos, fazendo então um percurso utilizado pelos moradores dos bairros que nasciam em redor da ferrovia. A partir dessa intersecção, a ferrovia continuava na bitola de 0,60m, até a captação das águas na represa existente ao pé da serra e no vale dos rios Quilombo e Cubatão.

Mapa traçado pelo pesquisador Sérgio Mártire  mostra o traçado original da ferrovia, partindo da Estação Ferroviária de Cubatão
Imagem: site Trilhos na Serra

Os mapas do IBGE dos anos 60 e 70 já mostram a linha partindo da Fábrica de Papel, o que demonstra que essa ligação deve ter sido amputada – junto com o ramal de 1,60m que servia à Usina Henry Borden – com a construção da Via Anchieta, mas que ainda existe nas proximidades dessa Usina.

Mapa do pesquisador Moysés Lavander, com mais detalhes da linha de Pilões (em cor magenta)

Logo após a saída de Cubatão a ferrovia lança um ramal para a esquerda em direção ao Sítio dos Queiroz, onde haveria uma pedreira. Os pesquisadores conhecem uma só foto desse local, em uma empresa da região de Cubatão. Logo à frente, a ligação com a linha da Henry Borden (em cor laranja). Um bom trecho dessa linha e suas obras-de-arte ainda existe. Mais adiante, o ramal (à direita) para a Fábrica de Papel, já do outro lado do rio e a partir daí, a ferrovia segue em linha quase que reta, margeando o rio Cubatão, até os reservatórios e a ligação com a Sorocabana
Imagem: site Trilhos na Serra

A passagem em nível ainda existe e algumas versões dizem que posteriormente os bondes utilizados nessa linha foram transferidos para Bertioga, na Hidrelétrica de Itatinga, informação a ser confirmada ainda. Todo esse sistema estava situado onde hoje temos o Núcleo Pilões, do Parque Estadual da Serra do Mar, no vale do Rio Cubatão, e em muitos pontos podemos ver ainda seus trilhos.

Locomotivas fabricadas pela Kerr, Stuart, com bitola 0,60 m:

N. de FábricaRodagemFabricaçãoNomeTipo
1160-4-2Tjan/1898PilõesMidge
6350-4-2Tmar/1898CubatãoMidge
1.2480-4-0STnov/1913Maipoori (*)Wren
(*)  Esta locomotiva foi construída originalmente  para uma empresa da Guiana Inglesa, a A. P. Bugle, localizada em Demerara,  que comprou-a nova e  deu-lhe o nome “Maipoori“,  sendo recomprada pelo fabricante Kerr, Stuart em junho de 1914 e revendida para a Cia. City no mês seguinte.

Na ampliação do cartão postal de 1907, nota-se que a composição ferroviária parece estar parada no local, aguardando as pessoas que se divertem na ponte
Foto: site Trilhos na Serra

A ferrovia funcionou durante décadas, mantendo inclusive algumas locomotivas alemãs adquiridas em condições incomuns, até que uma grande enchente em 1974 provocou o estouro dessa barragem e destruiu as pontes ferroviárias sobre os rios Cubatão e Pilões, impedindo o funcionamento da linha férrea e o da Usina que abastecia a fábrica de papel. Hoje ainda se pode chegar às ruínas da Usina Hidrelétrica, da qual restou a barragem, através de trilhas que em grande parte passam pelos trilhos dessa ferrovia.

Entre as máquinas dessa ferrovia, destacamos 3 locomotivas Henschel & Son, construídas em 1916 e que, segundo consta, foram utilizadas no exército alemão na época da Primeira Guerra Mundial, quando, de acordo com os dados disponíveis, elas estariam sendo transferidas pela Alemanha para as colônias africanas, ficando retidas no Brasil como compensação de guerra, e sendo vendidas posteriormente à Cia. City.

Eis as características dessas locomotivas:

N. FábricaBitolaRodagemFabricaçãoN. CityObservações
144940,60m0-8-0T1916811Locomotiva militar
146780,60m0-8-0T1916815Locomotiva Militar
?0,60m????

De acordo com os poucos registros conhecidos dessas máquinas, uma delas foi destruída quando do estouro do gasômetro em Santos, em 1967. As duas restantes, de números 811 e 915, foram aposentadas após a grande enchente de 1974 e ainda permaneceram nas instalações da Usina durante muito tempo, até que depois de muitas andanças, onde estiveram até em poder da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF), foram preservadas em locais cobertos em Cubatão, no Parque Anilinas (máquina 915) e no Conjunto Poliesportivo Constâncio Vaz Guimarães em Santos (máquina 811).

Infelizmente, muitos outros materiais bastante raros e interessantes não foram preservados, como é o caso desse interessante auto de linha, flagrado por Sérgio Mártire em 1965 nas oficinas de Cubatão da Cia. City. Note o diminuto “girador” para inverter a direção do auto e, mais atrás, um dos carros de passageiros semelhante ao que está preservado em Cubatão:

Auto de linha, com o “girador”, e atrás um carro de passageiros, em foto de 1965 feita por Sérgio Mártire nas oficinas de Cubatão da Cia. City
Foto: site Trilhos na Serra

O site Trilhos na Serra (LINK INDISPONÍVEL) visa portanto, além de contar a história dessa pequena e pitoresca ferrovia, registrar em maiores detalhes a história das locomotivas 811 e 915, bem como acompanhar as atividades do resgate da locomotiva 811 para fins de preservação.

IMPORTANTE:

Este artigo e suas imagens foram cedidos a Novo Milênio por Marcelo Tálamo, do site Trilhos na Serra (LINK INDISPONÍVEL), associado à organização virtual de preservação ferroviária EFBrasil (LINK INDISPONÍVEL):

Cartão postal de 1907 (“Lembranças de São Paulo II”): é um raro registro histórico dessa ferrovia, vendo-se claramente uma locomotiva com dois carros de passageiros (oriundos dos antigos bondes puxados a burro). Estudos recentes indicam – ainda sem confirmação – que possa ser uma das duas locomotivas Kerr-Stuart enviadas para a Cia City na virada do século XIX/XX
Foto: site Trilhos na Serra


LEIA TAMBÉM


Compartilhar

Comentários

Castelo de Cubatão foi notícia no Wall Street Journal - TPC Notícias

30 de Nov 2023 - 09h29

[…] A História da pequena Ferrovia da Cia. City de Santos, no Vale do Rio Pilões […]

A ferrovia da Usina da Serra – Henry Borden - TPC Notícias

19 de Nov 2023 - 20h38

[…] A História da pequena Ferrovia da Cia. City de Santos, no Vale do Rio Pilões […]

Deixe seu comentário

Notícias relacionadas

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Desenvolvido com ❤️ e ☕ por Julimar Jr.