Previsão do tempo
max. 30 | min. 25
Chuvas esparsas
Cotação
Dolar R$ 4,98
Euro R$ 5,40

Previsão do tempo

max. 30 °C

min. 25 °C

Chuvas esparsas

Cubatão poderá perder cerca de R$ 400 milhões anuais com a Reforma Tributária

A reforma tributária poderá causar queda gigantesca na arrecadação da cidade.


A criação do IBS (Imposto sobre Bens e Serviços) que vai unificar ICMS (art. 155, II, CF) e ISS (art. 156, III, CF), prevê que “será cobrado pelo somatório das alíquotas do Estado e Município de DESTINO da operação”. Significa que o imposto será recolhido no local de destino do consumo do produto e não na origem, afetando diretamente o repasse aos municípios onde estão instaladas as fábricas.

Cubatão é uma cidade produtora e gera muita receita para o Estado de São Paulo por meio das indústrias instaladas na cidade desde a década de 50. Como compensação pelos impactos causados na cidade, recebe toda terça feira uma fatia daquilo que é recolhido.

Durante anos suportamos o custo da poluição em troca dos empregos, desenvolvimento e repasse de impostos. Mas se mudarem que o tributo seja recolhido no destino e não mais na origem da produção, vai ficar ruim e a cidade vai ter que buscar receita de outras maneiras.

Cubatão será uma das cidades que mais vai sofrer impactos com a reforma tributária, da maneira que estão aprovando e pode perder muito dinheiro. Veja a tabela com valores extraídos do Portal da Fazenda do Estado de São Paulo desde 1995 até Julho/2023.

AnoRepasse ICMS (R$)
2023275.275.129,80 (até 23/07)
2022462.628.181,32
2021448.253.859,25
2020355.509.652,79
2019339.833.073,44
2018316.490.307,09
2017307.740.890,78
2016299.299.138,28
2015301.586.347,41
2014266.433.648,38
2013259.829.270,73
2012256.417.113,49
2011293.714.815,09
2010304.941.452,42
2009261.403.469,05
2008272.516.656,33
2007251.949.037,26
2006242.294.675,11
2005223.698.398,50
2004198.208.255,60
2003161.099.767,56
2002133.531.614,30
2001106.982.787,08
200093.330.746,29
199975.381.866,63
199871.542.359,62
199794.308.792,64
199693.423.664,43
199594.248.157,62
Fonte: https://www.fazenda.sp.gov.br/RepasseConsulta/Consulta/repasse.aspx

O ICMS é o responsável por aquilo que muitos desavisados chamam de Guerra Fiscal. Os mais inteirados do assunto sabem que não é guerra e sim uma livre concorrência. Estados e municípios concedem incentivos fiscais para fábricas se instalarem em troca do desenvolvimento que traz para região, como geração de empregos e movimentação do comércio.

A reforma muda o local de recolhimento da ORIGEM para o DESTINO onde o produto será consumido ou serviço será prestado.

A chamada “guerra fiscal do ICMS” se resume a um conjunto de mecanismos onde cada Estado utiliza as vantagens fiscais como forma de atrair novas industrias para seu território, e tendo como contraprestação a geração de empregos, desenvolvimento da região e recolhimento de impostos.

Empresas costuma procurar os locais (estados/municípios) que sejam mais vantajosos, mesmo que os destinatários do seu produto estejam longe.

Com a mudança na lei, não haverá mais vantagem para a indústria escolher um local baseado no incentivo fiscal. Elas irão escolher o local mais próximo dos seus consumidores para economizar com transporte, logística, combustível, etc.

Na Baixada Santista, cidades com alto índice de consumo como Santos, São Vicente e Praia Grande irão receber vultuosas quantias a título de repasses, enquanto Cubatão que sempre foi o polo industrial mais importante da região irá amargar perdas orçamentárias ainda não calculadas.

A PEC n. 45/2019, de autoria do Deputado Federal Baleia Rossi (MDB) prevê algumas compensações pela provável perda de receita aos municípios produtores que iremos mostrar nos próximos artigos.

LEIA TAMBÉM


Compartilhar

Comentários

Câmara de Cubatão será reformada ao custo de quase R$ 14 milhões - TPC Notícias

09 de Ago 2023 - 16h44

[…] Cubatão poderá perder cerca de R$ 400 milhões anuais com a Reforma Tributária […]

Deixe seu comentário

Notícias relacionadas

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Desenvolvido com ❤️ e ☕ por Julimar Jr.