Previsão do tempo
max. 23 | min. 19
Chuva
Cotação
Dolar R$ 5,17
Euro R$ 5,55

Previsão do tempo

max. 23 °C

min. 19 °C

Chuva

O primeiro recenseamento de Cubatão

Em 1765, Cubatão era basicamente  um pouso para as tropas de burros


O mais antigo recenseamento que se conhece da população paulista é de 1765 e se intitula Listas Gerais da Ordenança das Vilas desta Capitania. Dentro da parte da Vila de Santos, há o recenseamento de Cubatão, então um bairro desta vila, que reproduzimos na íntegra.

SOUZA, Alberto. Os Andradas. S. Paulo, Tipografia Piratininga, 1922, 3º volume, páginas 216/220.


Em 1765, Cubatão era basicamente  um pouso para as tropas de burros


“BAIRRO DO CUBATÃO GERAL ATÉ O RIO GRANDE

1 – Antonio Xavier de Lima, alferes de ordenança branco casado 48 anos – Vive de lavoura e aluguel de bestas. Maria Joaquina, sua mulher branca casada 40 anos.
FILHOS:
Antonio branco solteiro 17 anos
Francisca branca solteira 1 ano
Tem 5 escravos.

2 – Bento Francisco branco casado 60 anos – Vive de aluguel de bestas. Ana Francisca, sua mulher branca casada 40 anos.
FILHOS:
Joaquim branco solteiro 12 anos
Salvador branco solteiro 10 anos
Rosa branca solteira 8 anos

3 –  Maria Francisca branca viúva 36 anos – Vive de sua venda.
FILHOS:
José branco solteiro 9 anos
Joaquim branco solteiro 2 anos.

4 – Raphael Joaquim branco casado 50 anos – Carpinteiro. Mathilde, sua mulher branca casada 40 anos.
FILHOS:
Alexandrina branca solteira 20 anos
Mafalda branca solteira 11 anos
Tem 2 escravos

5 – Rosa Maria parda solteira 80 anos – Vive de sua venda.
Tem 2 escravos.

6 – Francisco Manuel da Silva pardo casado 30 anos – Vive de seu negócio. Maria das Dores, sua mulher parda casada 20 anos.

7 – Antonio Francisco Pereira branco solteiro 20 anos
Agregada. Antonia branca solteira 10 anos.

8 – Antonio Espinola branco casado 30 anos – Vive de sua venda. Catarina, sua mulher branca casada 35 anos.
FILHOS:
Antonio branco solteiro 12 anos
Joaquim branco solteiro 8 anos.

9 – Gregório da Silva pardo casado 60 anos – Vive de sua venda. Maria, sua mulher parda casada 40 anos.
FILHOS:
Fernanda parda solteira 16 anos
Maria parda solteira 20 anos
Miguel pardo solteiro 10 anos
Delphim pardo solteiro 8 anos
José pardo solteiro 5 anos
Thereza parda solteira 4 anos.

10 – Manuel de Mello branco casado 50 anos – Vive de negócio de sua venda. Maria, sua mulher branca casada 40 anos.
FILHOS:
Manuel branco solteiro 18 anos
Domingos branco solteiro 12 anos
Marianna branca solteira 16 anos
Maria branca solteira 14 anos.

11 – Manuel Antonio branco casado 30 anos – Vive de negócio de sua venda. Domingas, sua mulher branca casada 28 anos.
FILHOS:
Manuel branco solteiro 12 anos
Antonio branco solteiro 6 anos
Maria branca solteira 4 anos
Rosa branca solteira 5 anos.

12 – Cypriano Pereira pardo casado 70 anos – Vive de sua venda. Felizarda, sua mulher parda casada 30 anos.
FILHA:
Florinda parda solteira 12 anos.

13 – João Ferreira negro casado 50 anos – Vive de lavoura. Maria, sua mulher negra casada 40 anos.
FILHOS:
Juliana negra solteira 16 anos
Florinda negra solteira 10 anos.

14 – Miguel Francisco do Couto branco casado 24 anos – Vive de seu negócio. Maria, sua mulher branca casada 20 anos.

15 – Joaquim Gomes alferes reformado branco casado 30 anos – Vive de seu negócio. Anna, sua mulher branca casada 20 anos.

16 – Fernando Gomes, alferes reformado branco casado 40 anos – Caixeiro do Contrato. Gertrudes, sua mulher branca casada 28 anos.
FILHOS:
Antonio branco solteiro 4 anos
Fernando branco solteiro 2 anos
Tem 1 escravo.

17 – José de Siqueira branco casado 50 anos – Carpinteiro. Rosa, sua mulher branca casada 35 anos.

18 – Joaquim Rodrigues d’Oliveira, capitão reformado, e Com. do Cubatão, branco casado 50 anos – Vive de seu soldo. D. Gertrudes, sua mulher branca casada 40 anos.
FILHOS:
Maria branca solteira 20 anos
Joaquim branco solteiro 12 anos
João branco solteiro 10 anos
Polyena branca solteira 8 anos
Antonio branco solteiro 3 anos
Tem 1 escrava.

19 – Maria Joaquina parda viúva 40 anos – Vive de sua venda.

20 – Manuel Espinola branco casado 60 anos – Vive de aluguel de pasto. Ana sua mulher branca casada 50 anos.
FILHOS:
Francisco branco solteiro 20 anos
José branco solteiro 16 anos
Tem 2 escravos.

21 – José Machado soldado pago branco casado 60 anos – Vive de seu soldo. Maria, sua mulher branca casada 50 anos
FILHA:
Anna branca solteira 20 anos.

22 – Joaquim pardo casado 60 anos – Vive de lavoura. Ignácia sua mulher parda casada 20 anos.

23 – Lusitano Gomes negro casado 60 anos – Vive de lavoura. Maria, sua mulher negra casada 50 anos.”


Curiosidades do primeiro censo. Em 1765, a vila tinha população estável e vivia das atividades do entreposto

Texto incluído na obra Antologia Cubatense, selecionada e organizada pela professora Wilma Therezinha Fernandes de Andrade e publicada em 1975 pela Prefeitura Municipal de Cubatão, nas páginas 172 a 176.


NOTA EXPLICATIVA

Este recenseamento do Bairro do Cubatão Geral até o Rio Grande é valiosa fonte de informações sobre o Cubatão do século XVIII.

Contava o Cubatão com 23 casas, sendo que em cada uma morava uma família. O total de pessoas era de 94, dessas 94 apenas 13 eram escravos. A média dos moradores por casa era de 4,08. Apenas 6 famílias possuíam escravos, um ou dois, no máximo 5.

Do total, 81 eram livres e 13 escravos, ou seja 86% livres e 14% escravos.

Quanto à cor: havia 58 brancos ou seja 61,7%; 17 pardos ou 18,0% e 6 pretos ou seja 6,3%. A cor desses foi declarada, por serem livres. Havia, ainda, 13 escravos cuja cor não foi registrada. Se eram pretos, o total dessa cor sobe a 19 pessoas, ou seja 20,1% (cálculos aproximados). Não há menção de índios.

A maioria esmagadora da população compunha-se de famílias, casais com vários filhos, o que dá idéia de estabilidade social.

Quanto às atividades da população livre, fica evidente o seguinte: 9 viviam de sua venda, sendo que dessas pessoas, 3 eram mulheres e os 6 restantes, homens.

Uma pessoa declarou viver de seu negócio, sem especificar nada.

Quatro se dedicavam às atividades agrícolas. A produção agrícola era, provavelmente, destinada ao abastecimento dos viajantes do Caminho do Mar, sem esquecer a lavoura de subsistência.

Dois carpinteiros atendiam às necessidades do povoado e podemos supor que construíssem ou consertassem barcos para a travessia de 4 léguas entre Cubatão e Santos e vice-versa.

De alugar pastos vivia uma pessoa; do aluguel de bestas, duas.

Relativas ao Contrato ou cobrança da Passagem fluvial havia o Comandante do Cubatão, um caixeiro, um soldado e dois alferes reformados.

Havia um alferes da ordenança, mas as ordenanças formavam tropas de reserva, nada recebiam, o que obrigava o alferes de Cubatão a viver da lavoura, sendo também um dos que viviam do aluguel de bestas.

A maior parte destas atividades está relacionada à função de passagem e de mudança do meio de comunicação, de terrestre para fluvial ou vice-versa.

Por estas rápidas considerações, podemos concluir que a população de Cubatão, na 2ª metade do século XVIII, estava ligada ainda à condição de porto de pé-de-serra.

A vida era, de modo geral, modesta, familiar e socialmente estável.

LEIA TAMBÉM


Compartilhar

Comentários

Nenhum comentário

Deixe seu comentário

Notícias relacionadas

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Desenvolvido com ❤️ e ☕ por Julimar Jr.